13/01/17

NOVO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO


Informamos que a partir de dia 15 de Janeiro a Recepção do Consultório Rafael tem um Novo Horário de Funcionamento:



Os horários das consultas mantêm-se:
2ªf., 3ªf. e 5ªf. das 10h00 às 18h00;
4ªf. das 15h00 às 18h00 e 6ªf. das 10h00 às 12h00;

Para efectuar a marcação de consultas deve ligar no horário da recepção.
Deve deixar o seu nome e contacto e responderemos assim que possível.
Pode também utilizar o mail do consultório: consultorio.rafael@sapo.pt

21/11/16

"O Tempo dos Pequenos Prisioneiros" - In Expresso

Bem-vindos à nova era, a das crianças que não têm tempo para brincar. E a dos adultos obcecados por ocupar-lhes os dias. Que mundo é este onde a brincadeira se tornou indesejável? 

 Luciana Leiderfarb


"Não fosse um sinal dos tempos e consideraríamos ridículo escrever um texto sobre a importância de as crianças brincarem. Afinal, não é isso o que elas fazem? A resposta é assustadoramente simples: não. E não é o que fazem, sendo isso o que elas são. Nada mais definidor da infância do que o brincar e, no entanto, nada menos preponderante na infância destes dias, escolarizada até ao tutano, compartimentada em atividades sempre organizadas pelo adulto, em casa sujeita ao regime de trabalhos de casa-TV-telemóvel-tablet antes de deitar e, de manhã, começar tudo de novo. Este ano, um filme patrocinado pela marca Skip entrava numa prisão de alta segurança dos Estados Unidos e mostrava um grupo de reclusos perturbados com a mera possibilidade de se retirar uma hora às duas horas diárias de tempo ao ar livre a que estão habituados. “Seria uma tortura”, dizia um deles. Mas 70% das crianças têm menos de uma hora por dia de brincadeira, concluiu um estudo da mesma marca. Menos, portanto, do que o tempo mínimo que o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos recomenda para garantir o bem-estar dos prisioneiros.
“Temos uma criança mais centrada nos dedos do que na locomoção, que é corporalmente passiva e sofre de iliteracia motora”, diz Carlos Neto, investigador da Faculdade de Motricidade Humana. A estudar este assunto há duas décadas, não constitui para ele novidade que as crianças de hoje sejam mais frágeis, mais imaturas e menos capazes de se controlar e autorregular. “As crianças são dotadas para brincar, é o seu estado natural. Precisam de ser perseguidas, de perseguir, lutar, correr, esconder-se, inventar. E a sociedade faz um esforço para as ter quietas e em silêncio”, comenta o especialista. Num quadro de quase permanente institucionalização, em que os mais novos passam na escola quase tantas horas diárias quanto um adulto no trabalho — de 27,5 a 30 horas semanais nos 1º e 2º ano do 1º ciclo e até 32,5 horas no 3º e 4º ano —, a configuração do seu tempo livre nesse espaço revela-se determinante. E a escola “ainda trata o recreio como algo avulso ao processo de ensino”, sem perceber que “o tempo para brincar deve ser bem estruturado e encarado como um contributo para se aprender dentro da sala de aula”.
No jardim de infância a situação é semelhante. Em Portugal, de fevereiro a maio — a estação invernal — as crianças passam apenas uma média de 10,8% do seu tempo em espaço exteriores, mais apetecíveis para a brincadeira livre. Este é um dos dados que constam do estudo “Interação Criança-Espaço Exterior em Jardim de Infância”, da autoria de Aida Figueiredo. A professora da Universidade de Aveiro concluiu ainda que, nas creches observadas, os bebés com menos de um ano só saíram ao exterior duas vezes em quatro meses. O estudo serve também para comparar realidades educativas opostas: se na Noruega, por exemplo, são exigidos entre 24,2 e 33 m2 por criança, em Portugal apenas são previstos 4 m2 por criança.
Quando é que o brincar livremente se tornou a atividade mais rara, menos praticada, na vida das crianças? E quando é que este quadro negro passou a ser encarado como normal? “O que não é normal é não se olhar para as crianças como cidadãos com direitos, isto é, com direito ao tempo livre e a fazer o que é próprio na infância: brincar, correr e dialogar com outros”, frisa Maria José Araújo. Para esta especialista em educação e professora no Instituto Politécnico do Porto, chegamos a um ponto em que o ato de brincar é excedentário e conotado como “fútil” pelos adultos, cuja ideia de competência “passa por estruturar a vida das crianças, não respeitando as suas necessidades nem proporcionando as condições para elas poderem brincar”.
E brincar está longe de ser fútil. “É uma atividade completa, em que as crianças aprendem a decidir, a negociar, a colaborar, a pensar e a criar; descobrem o que querem e como querem fazer; elaboram e exprimem as suas fragilidades e traumas; e começam a ler a realidade social, a interpretá-la e a agir sobre ela”, diz a investigadora. Pelo contrário, o não brincar ocasiona danos profundos no ser humano: “Gera crianças mais obesas, mais sentadas, com menos competências sociais e relacionais, mais isoladas e individualistas, e que em adultos estabelecem relações mais difíceis.” Promove, igualmente, uma pandemia de crianças cansadas e stressadas que acabam sendo alvo de medicação. “Estes miúdos vão para a sala de aula brincar, extravasar, porque não lhes foi dada outra hipótese. Então, medicamo-los para que sejam mais concentrados. Ora, uma criança que não brinca não aprende a concentrar-se”, reflete.
A neuropediatra, Manuela Santos, ressalva, por sua vez, a diferença entre brincadeira e entretenimento: “Hoje em dia vivemos o drama do tablet. As crianças habituam-se a olhar para um ecrã durante horas. É como ir ao ginásio e só mexer uma perna.” Do ponto de vista do desenvolvimento, esse tipo de interação com o mundo ‘enche’ a criança de respostas automáticas, inibindo-lhe a criatividade e abrindo caminho para uma maior incidência de problemas mentais no futuro. Carlos Neto aponta também a fraca capacidade empreendedora e a escassa autoestima de quem em pequeno não exercitou o brincar. E alerta: “A energia das crianças é natural e deve ser
tolerada pelos adultos. O ser humano não nasceu para estar quieto. Estamos a criar monstros.

70

É a percentagem de crianças portuguesas que passam menos tempo ao ar livre do que os 60 minutos que 
o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos 
recomenda para os reclusos.

10,8

É a percentagem de tempo médio 
que as crianças de creches e jardins 
de infância passam no exterior durante os quatro meses do inverno.

2

É o número de saídas ao exterior 
dos bebés com menos de um ano 
nas creches, durante os quatro 
meses do inverno.

32,5

É o número de horas semanais 
de aulas previsto na Matriz Curricular do 1º ciclo para os alunos do 3º 
e 4º ano, incluindo as atividades 
de enriquecimento curricular.

8

é o número de horas de brincadeira por semana que as crianças de todo o mundo perderam nos últimos 20 anos."

Fontes: Estudo SKIP — “Os Valores Das Crianças”, 2016; “Interação Criança-Espaço Exterior Em Jardim De Infância”, de Aida Figueiredo, 2015; Matriz Curricular Do 1º Ciclo, Direção-Geral Da Educação, 2016

19/11/2016 "Expresso"

15/09/16

CURSO de PÃO com ingredientes provenientes de AGRICULTURA BIOLÓGICA



- Os cereais panificáveis

- As diferenças entre os tipos de farinha de cada cereal

- Fermentos e Leveduras

- As Características de um pão com qualidade: como identificar e como obter sabor, textura e conservação

- As etapas de fabrico do pão:

a) em máquina de fazer pão

b) amassado à mão

- Preparação de receitas com Levain de espelta em máquina de pão e amassado em alguidar e outra com fermento natural amassado em alguidar: Pão de trigo espelta escuro; Pão de mistura de espelta e centeio escuros com sementes; Pão de Alfarroba e amêndoa

Formador: Ana Paula Moreira

Data: 15 de Outubro 2016
Local: Auditório Miosótis
Timing: Sessões de 4 horas
Horário: 15.00 às 19.00 h
Nº participantes; 8 a 10
Valor inscrição; 39 €

 

WORKSHOP de PÃO com FERMENTAÇÕES NATURAIS


Neste curso propomos uma viagem aos fermentos naturais, em Portugal vulgarmente chamados de “crescente” ou “isco” consoante as regiões do país.
O desafio será fazer massas e formatos de pães tradicionais portugueses.




 

Formador: Ana Paula Moreira

Datas: 5 de Outubro ou 1 de Novembro

Tempo: das 11h00 ás 18h00

Local: Auditório da MIOSÓTIS

Nº participantes: 6 a 8

Valor da inscrição: 55€

Pães: Trigo espelta escuro; centeio e milho.

Inscrições: na Miosótis

15/04/16

Dieta para Infecções Urinárias


Dieta alcalina/ácida


A finalidade desta dieta é tornar o meio de cultura para a proliferação dos germes (a urina) tão desagradável aos mesmos, a ponto deles, por si se retraírem do organismo.

Fazer 3/4 dias de dieta ácida, depois de 3/4 dias de dieta alcalina, alternando sempre.

Alimentos ácidos:   (nesses dias pode comer)

Carne bovina, carne de porco e vitela, fígado, pescada, peixes, queijo, requeijão, arroz, semolina, farinha de aveia, amendoim, pão e bolo.

Pouco ácidos:

Frios e presunto, ovos, couve de bruxelas, pontas de espargos, ervilhas secas, feijão, lentilha, grão de bico, manteiga, chocolate, queijo parmesão.
Ainda permitido: açúcar e cevada.

Nesses dias tomar: vitamina C – 1 comprimido 3x dia

Alimentos alcalinos:

Leite, chá, pepino, tomate, aipo, cenoura, beterraba, nabo, espinafre, alface, damasco, laranja, figo, uva, sumos de fruta e de verduras.

Pouco alcalinos:

Batata, rábano, raíz forte, rabanetes, repolho, couve-flor, ervilha, cogumelo, maçã, pera, bananas.

Nesses dias tomar: bicarbonato de sódio – ½ colher de café 3 a 4x dia

Evitar:         
Chicória, abóbora, cebolinha, cacau em pó, castanhas;


Beber muitos liquidos, pelo menos 2 – 3 litros por dia!!
                                                (chás e água do Luso)

Chás diuréticos:

Decocção de tuia – vulgar, 20g de folhas para 1 litro de água, ferver 2 minutos, infundir 10 minutos; beber ½ litro por dia.

Infusão de pés de cereja,   8g para 1 litro de água fervente, infundir 10 minutos; beber ½ litro por dia

 Infusão de uva – ursina, 20g de folhas secas para 1 litro de água fervente, deixar amornar e filtrar; beber 2 chávenas pequenas por dia.

Infusão de milho, 30g de estigmas secos para 1 litro de água fervente;
Beber 5 chávenas por dia entre as refeições.

Composição:                             
Alquequenje              30g     
Ajuga                          20g     Parietária                   20g     
(alfavaca de cobra)
Cavalinha                    20g
Barba de milho          10g



Modo de Utilização:
Fazer uma infusão(dosagem:uma colher por chávena) Tomar 8 chávenas por dia;


CONSELHOS PRÁTICOS PARA INFLAMAÇÃO DA BEXIGA

Devem usar-se roupas quentes protegendo especialmente o abdómen e a região do baixo ventre; de preferência nenhum tecido sintético, mas sim tecidos de algodão ou lã.

- Banhos de assento quentes, a que se adicionou uma infusão de chá de mil-folhas. Em caso de dores fortes, urinar durante um banho de assento bem quente.

- Compressas com óleo de eucalipto 10% (calmante de dores)
Pingar algumas gotas de óleo de eucalipto num pano fino de fibras naturais ( ou melhor ainda um pano de seda) e colocar sobre a região da bexiga.

Tapar com um pano ligeiramente maior de linho ou algodão, e bem liso prender posteriormente com um pano ou xaile de lã, que deve ficar bem tenso.

Duração; de ½ a 1 hora ou durante a noite.
A compressa pode ser usado durante uma semana, antes de a colocar de novo pingue algumas gotas de óleo.

Outra variante é:
A região da bexiga – baixo-ventre – é friccionada com óleo de eucalipto e a seguir tapada com um pano de lã.

04/04/16

Dieta Para o Fígado


I. Introdução

Esta dieta visa revitalizar o fígado perturbado por problemas hepáticos crónicos e agudos ou simples disfunções, readquirindo um melhor desempenho de suas funções.        
Para isso fizemos uma lista de alimentos que devem ser evitados o mais possível e outra dos que podem ser usados sem receio.
O uso de qualquer alimento deve ser sempre equilibrado, ficando, no entanto, as quantidades ingeridas a critério do médico ou nutricionista, pois dependem de dados individuais. Apenas a gordura é limitada a 40g/dia, e as proteínas e os carbohidratos devem ser ingeridos em quantidades maiores do que na alimentação de uma pessoa em condições físicas normais.
Os líquidos ingeridos devem ser mornos.



II. Evitar o mais possível:

1. Açúcar branco
2. Aperitivos industrializados como por exemplo batata frita, caju torrado, amendoim, amêndoa salgada, etc.
3. Bebidas alcoólicas e achocolatadas, ovomaltine, café, refrescos artificiais, refrigerantes e chá preto.
4. Carnes de porco, de vaca, de carneiro, carne crua, toucinho.
Entre os peixes evitar os fumados, a sardinha, os peixes em conserva, anchova. Evitar também todos os frutos do mar: camarões, lagosta, ostra, mexilhões, etc.
5. Chocolates em barra ou em pó, normalmente usado nos doces caseiros ou de pastelaria.
6. Condimentos: cebolas, mostarda, molho de tomate de todos os tipos, caril, vinagre, pimenta, molho inglês e de soja, caldos de carne ou de galinha industrializados, etc.
7. Derivados do leite: queijo roquefort, gorgonzola, parmesão, mozzarella suíço, camembert, ilha, serra e flamengo.
8. Enlatados
9. Fritos de qualquer tipo
10. Frutas ácidas: ananás, abacaxi, laranja amarga, etc.
11. Gorduras vegetais (coco, amendoim, etc.), margarina
Gordura animal: banha
12. Hortaliças
Folhas: couve portuguesa, repolhos (mesmo o chucrute) e espinafre.
Flores: brócolos e espargos.
Raízes: nabo, couve - rábano, rabanete.
13. Leguminosas: ervilha, todos os tipos de feijão, grão-de-bico, lentilha, soja, etc.
14. Pães de mel, bolos, tortas e pastelaria fresca de fermento.
15. Evitar também os cogumelos.


III. O que pode e deve ser incluído no cardápio:

1. Frutas: laranja, lima, banana, maçã, pêra, dióspiro (sem casca), ameixa, uvas.
2. *Chás: erva-doce, menta, hortelã, cidreira, etc.
3. Derivados do leite: quark, coalhada, iogurte, rabaçal fresco, requeijão
4. Legumes e verduras (principalmente as amargas): acelgas, cenoura, funcho, chicória, aipo, beterraba, alface, abóbora, chuchu, alcachofra, pepino, courgette, almeirão.
Obs. Os legumes devem ser cozidos sem gordura e servidos com um pouco de azeite ou manteiga.
5. Cereais (em grão não refinado ou em forma de farinha não refinada: papas ou massas). Fécula : batata (sem excesso), batata-doce.
6. Gorduras (até 40g/dia): manteiga fresca ou óleos vegetais (de preferência milho, girassol ou azeite com acidez baixa).
7. Ovos (1 a 2 vezes por semana): em suflês, escalfado.
8. Carnes: brancas cozidas ou grelhadas (frango ou peru)
9. Peixes: pescada, dourada, cação, solha, linguado, safio, pargo, goraz, cantaril, etc.

IMPORTANTE!    



A qualidade da água é importante. Deve-se dar preferência á água mineral de boa procedência. E eventualmente usar um filtro para a água canalizada.


Chás hepáticos, que estimulam a função hepática e a produção de bílis, desintoxicando as células.
Alcachofra

- Infusão: composta de 20g de folhas de alcachofra e de buxo, infundir 10 minutos e tomar 3 chávenas por dia, das quais 1 em jejum

- Decocção de alecrim, 40g para 1 litro de água, ferver 5 minutos e tomar uma chávena de manhã em jejum

Decocção composta por:   
  • 30g de folhas de groselheira-negra
  • 20g de folhas de alcachofra
  • 20g de folhas de taráxaco
  • 10g de sumidade floridas de maravilhas todas secas, 15g para 1 chávena de água fria
 Ferver 1 minuto, infundir 10 minutos e tomar 3 chávenas por dia, das quais 1 em jejum.


É importante manter o ritmo das refeições, devendo estas serem feitas com calma e em ambiente harmonioso.

IV. Sugestões práticas

Pequeno-almoço:
- Café de cevada ou chá
- Leite B (diluído - 40% água)
  Leite A (diluído - 50% água)
- Adoçantes: Açúcar mascavado ou mel
- Cereais: torradas integrais ou pães integrais torrados, mingaus (aveia, cevada principalmente), preparados com leite na proporção citada acima.
- Frutas

 Refeição do meio da manhã:
- Sumo de frutas ou iogurte com frutas ou sumo de legumes e verduras: cenoura com lima, beterraba com maçã, etc.
Almoço:               
- Entrada: 1 prato de salada de legumes e verduras cruas
- Pratos quentes: porção de cereais, legumes e verduras à vontade; cozidos sem gordura, servidos com um pouco de manteiga fresca ou azeite, ou na forma de suflês ou usados para rechear um pastelão ou panqueca, etc.
Pode temperar-se com ervas frescas.
Ovos ou carnes (frequência e quantidade a serem combinados com o médico)
- Sobremesa: frutas

Lanche:                
- Chá, torradas, lacticínios, mel frutas ou sumos

Jantar:                  
Evitar pratos frios
- Sopas de legumes ou canjas leves ou mingaus salgados
- Sobremesa: compota de frutas, iogurte ou requeijão com frutas (quando não tiverem sido usados lacticínios em outras refeições).
- Chás 


OBSERVAÇÕES:  
No período das 3 às 15h, as gorduras ingeridas na alimentação são mais facilmente digeridas.
Durante o período das 15h às 3h, procurar diminuir o ritmo das actividades, para o fígado possa cumprir melhor a sua função de armazenar o açúcar necessário para diversas actividades do nosso organismo. 

23/03/16

PÁSCOA FELIZ!!!


Desejamos a todos os nossos Pacientes, Amigos e Familiares uma Páscoa Feliz!!!




Informamos que o Consultório Rafael está aberto dia 24 das 10h00 às 16h00;

Encerra dia 25 de Março;

Em caso de urgência médica é favor contactar:  91 223 85 73

28/12/15

Bio Paladares - Receitas Bio para todas as Estações

 

Texto e receitas de Ana Paula Moreira
Fotografia de Jorge Barros
 

Um sopro de afectos


 

"Conheci a Ana Paula Moreira nos anos oitenta, quando ambas estávamos empenhadas num projecto de criar um jardim-de-infância Waldorf na zona de Lisboa, onde se pretendia implementar uma alimentação vegetariana, baseada em cereais, com produtos biológicos. Ela estava, então, envolvida na abertura, em Lisboa, de uma das primeiras padarias, com oferta de grande variedade de pão, incluindo o integral.
Acompanhei o seu percurso posterior, a ida para Inglaterra, onde aprofundou os saberes na área da nutrição. No seu restaurante, pude comprovar a capacidade de criar pratos em que, à harmonia entre os vários produtos, se juntava uma confecção e empratamento impecáveis.
Alegra-me, pois, que a Ana Paula tenha tomado a iniciativa de publicar este livro, onde partilha com todos nós os seus saberes na área de uma alimentação verdadeiramente ecológica. Espero que todos possamos usufruir as suas deliciosas e bem balanceadas receitas."

Manuela Tavares
Médica de medicina interna e antroposófica e, sobretudo, amiga.
 


"A vida agitada da cidade, a oferta de produtos variados e importados de toda a parte, levou à perda de ligação com a terra e com os ritmos das estações.
A minha herança gustativa obrigou-me à busca dos sabores que pudesse transmitir à minha filha. São estes que, modestamente, aqui vos transmito...
Assim, sugiro a utilização de produtos de agricultura biológica, pelas vantagens nutritivas, de sabor e conservação. Por serem produzidos em função da época do ano, são mais económicos e muito mais saborosos.
Apresento, também, algumas receitas vegetarianas básicas e simples e algumas de peixe e de carne, a pensar no que se pode encontrar nas lojas Bio.
No capítulo do pão, procuro facultar receitas que podem ser amassadas à mão ou na máquina doméstica de fazer pão, de modo a obterem sabor, textura e melhor conservação.

Ao longo de vários anos e com a entrada da minha filha no jardim-de-infância, comecei a elaborar ementas simples, com base em cereais e legumes. Este interesse levou-me, mais tarde, a fazer um seminário sobre alimentação ovolactovegetariana com Carlo Janowski, nutricionista, no Emerson College, em Inglaterra. Aí aprendi a fazer pão com backferment e os princípios da referida alimentação vegetariana, com base na antroposofia de Rudolf Steiner.
No meu restaurante e padaria Paladares de São Sebastião pus em prática muitas das receitas que agora vos sugiro!
Espero, desta forma, responder aos vários pedidos dos meus clientes e amigos para pôr no papel as receitas dos meus pratos. Dediquei um capítulo ao pão, bolos e biscoitos, com algumas das receitas produzidas no Paladares e que, em breve, vão ter disponíveis na futura Grão – Padaria Biológica Artesanal."
Ana Paula Moreira



Ano de edição: 2015
Formato: 16,7x23,5
Encadernação: capa mole com argolas
Páginas: 160 a cores
Classificação: Projectos Especiais


Pode adquirir no Consultório Rafael






15/10/15

ALIMENTAÇÃO em Idade Escolar

 "A criança que passa para o aprendizado escolar é mais solicitada pelos seus órgãos nervosos e sensoriais. Deve receber uma alimentação rica em raízes, como cenoura, beterraba, nabo, rabanete, raíz-forte e certas nozes (especialmente avelã).




 Na idade escolar podemos distinguir as crianças, de acordo com o seu temperamento, em quatro tipos fundamentais:

Criança Colérica: Fogosa, forte e dominadora, ousada até agressiva, de andar forte e compassado, que reage às oposições e é auto-suficiente. Para essas crianças a alimentação rica em folhas e talos é importante; não se deve dar aveia, e sim centeio e frutas. Também raízes, de preferência, cruas: cenoura, aipo e nabo. Deverão receber carne e leguminosas (ervilha, feijão, lentilhas) em poucas quantidades.

Criança Sanguínea: Leve, aérea, "borboleteante", distraída, esperta e ativa, em geral sem paciência para comer. Essascrianças deverão receber trigo, centeio, farinhas, fubá*, nozes, e mesmo carne para se tornarem mais ligadas à terra. Os doces devem ser evitados. As substâncias amargas são adequadas.

Criança Fleumática: Indolente, vagarosa, muitas vezes linfática, alegre e satisfeita de si e da vida, e tem muito interesse pela comida. Para essas crianças reduzimos os hidratos de carbono e as gorduras. Os temperos para elas deverão ser estimulantes e desidratantes. O leite também não é muito recomendado, mas quando dado , deve ser acidificado. Frutas ácidas e limão são muito indicadas; vegetais, principalmente raízes, e frutas (menos banana e abacate). Dos cereais podemos dar aveia e arroz temperado com curry, principalmente.

Criança Melancólica: Terrestre, muito voltada para si, de aspecto precoce, pálida e triste, com dificuldade de comunicação, "sofredora" e sonhadora. A alimentação dessa criança deverá constar de frutos doces, mel, cereais (usar bastante aveia e cevada), vegetais de folhas, frutos e flores, condimentos adequados, um pouco de carne branca, dieta mista e estimulante. Uma alimentação pesada não lhe fará bem."

*farinha de milho

"Alimentação em diferentes situações de vida e idades"  Gudrun Burkhard